.


Caros amigos, o blog mudou de endereço. Nele poderei formatar melhor os textos e ampliá-los.

Visitem o novo endereço WWW.ANGELCABEZZA.BLOGSPOT.COM

Abraços.

 



Escrito por Angel Cabeza às 23:46
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



Pintura de Salvador Dali – Mundo


POEMA: REENCARNAÇÃO

 

 

De nada valerão os desejos.
A cantiga é sempre a mesma
no velho gramophone
das Eras.

 

 

 

 

 



Escrito por Angel Cabeza às 13:45
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


POEMA & ENTREVISTA

 
 Abstrato - Tânia Cabeza

POEMA - FIM DOS TEMPOS 

Nunca se sabe o peso de uma vida inteira.

Cultivo nuvens para uma velhice

cheia de sol.


ENTREVISTA - PO&SIARTE - ENtrevista Angel Cabeza

Tive o prazer de receber por e-mail a solicitação para uma entrevista feita por Antônio Alves, enviada pelo folhetim impresso PO&SIARTE de São Paulo.
Todos que participam deste folhetim são alunos de Letras.
Abaixo seguem o poema e a entrevista. Espero que gostem.

 

Angel Cabeza é poeta, cronista, músico e compositor. Carioca, cursou Letras, utiliza a Internet como meio de divulgação virtual e assina colunas em jornais impressos.
É autor do livro de poemas Vidro de Guardados e A Beleza do Feio, crônicas.
Fala para o folhetim PO&SIARTE.

PO&SIARTE: Na atual sociedade, onde muitos jovens acabam direcionando a atenção para fora da literatura, como você vê o mercado de poesia e livreiro no geral?

 

AC: Não entendo porque dizem que o brasileiro não lê. O mercado livreiro cresceu 6% em relação ao ano passado. Existem editoras que cresceram absursos. Você entra em uma livraria e não consegue andar de tanta gente. O que existe é estigmatização no mercado. Por exemplo, quando dizem que poesia não vende é mais pelo retorno financeiro editorial do que pelo gosto da arte em si. É a marca que as editoras veem para o produto “poesia”. Muitos jovens produzem poesia, mas não lançam poesia. Por sua vez, as editoras não querem arriscar nos novos autores por acharem perda de capital. Poesia vende muito, temos aí provas como Carpinejar, Adélia Prado. É um erro dizer que poesia não vende e que brasileiro não lê. O problema é as editoras abrirem a cabeça para analisarem bem os originais e perpetuarem a arte maior. Até o início do século 19 nossa maior arte era a poesia. Hoje ela ficou em segundo plano, infelizmente, não pelos escritores, mas pelos editores.

 

PO&SIARTE: E o que você acha da nova safra de poetas e escritores, e da aceitação no mercado?

 

AC: Acho que se cria muito e distribui-se pouco. Temos excelentes poetas, como Eucanaã Ferraz, Angélica Freitas e seu Rilke Shake, ambos pela 7 Letras se não me engano. O problema é que muitos potenciais são abafados pelo mercado não abrir. Também possuímos os que não são tão bons assim, mas isso é uma outra questão. Como dizia Quintana: “Existem dois tipos de livros: uns que os leitores esgotam, outros que esgotam os leitores”. A poesia brasileira jamais morrerá, ela vestirá sempre uma nova roupagem no decorrer do tempo. Lembro-me da geração do mimeógrafo que lançou Chacau, Cacaso e outros. Hoje não há mais mimeógrafo, mas a poesia continua.

 

PO&SIARTE:  Há a Internet, o Blog. Isso ajuda?

 

AC: A Internet modificou a literatura. Arrisco-me a dizer que poderíamos conceituar um novo movimento literário, talvez o “internético” (risos). A Internet abriu portas para pessoas como Clara Averbuck, que publicava seus pensamentos e conseguiu ser uma grande escritora contratada. Temos o poeta e romancista Rodrigo de Souza Leão, entre outros. Até mesmo Saramago já se adaptou ao Blog. Vemos autores se lançarem e alcançarem as tão difíceis editoras através do mundo digital. É globalização. Posso ser lido na Espanha sem fazer muita força. O problema é que você deve se responsabilizar pelo seu marketing e pela sua distribuição eletrônica até que consiga seu desejo. Faça barulho e será ouvido. Entretanto, o marketing maior continua sendo o da editora, a compra de espaço, que custa fortunas. Eu mesmo tenho um Blog e preciso estar anunciando constantemente.

 

PO&SIARTE:  Você já escreveu para vários sites e revistas na Internet. Como é seu produzir poético, mais suor ou inspiração? Existem os que defendem mais o suor do que a inspiração. O que acha?

 

AC: Há aqueles que defendem a poesia como João Cabral de Melo Neto já explicava: catar feijão. Acredito que possa ser como catar feijão, mas existe uma centelha de inspiração. No meu caso, é mais inspiração. Depois que ela aparece, burilo até a última palavra, mesmo assim, sempre acho que poderia fazer melhor. Clarice Lispector dizia que nunca relia seus textos, pois sempre sentiria necessidade de mudá-los. Eu sou assim. Entretanto, por mais inspiração, suor e desejos, você precisa cicatrizar o livro. Muitos livros são terminados pelo simples fato de terem que ser finalizados. Existem poemas que duram anos para amadurecerem.

 

PO&SIARTE:  E o seu primeiro livro, Vidro de Guardados, como traçá-lo?

 

AC: Vidro de Guardados é um livro em que eu não coloquei linha temporal, nenhum fio condutor. Contudo, os poemas não pertencem ao poeta, têm vida própria. Quando releio o material vejo um fio condutor quase imperceptível de lembranças e sonhos; de temores e uma pitada de religiosidade em poemas como Canção do Tempo. Poderia dizer que é um livro sobre memórias, mas prefiro que cada poema tenha um peso filosófico de vida, separadamente. Não tive a intenção de colocar nele um tema, embora me pareça que o tema forte gira em torno da filosofia de viver. São versos soltos que podem se unir em qualquer momento. É a filosofia das coisas simples.

 

PO&SIARTE:  Você se insere em seus textos?

 

AC: Não acredito em cronologias. Todo texto tem a essência de seu criador. Brincamos de Deus, porém, nenhuma criatura se voltará ao Pai. Muito de mim compõe cada verso.

 

PO&SIARTE:  Você também é proseador, mais precisamente, cronista. Qual a diferença entre poesia e prosa?

 

AC: A poesia traz mais vida, a filosofia da vida, dos momentos. Posso ser mais sério, ter mais liberdade, falar do pão, da fome, da morte, da vida, ser enfadonho ou não. Tudo sempre será poesia. Jogar com palavras ou ser objetivamente simples. A poesia, para mim, é um baú de guardados. Nela, sou mais livre, respiro (ou não - risos). Já com as crônicas é diferente, existe uma regra a seguir. Claro, também acredito na função poética da crônica, só que de outra forma. Vemos Rubem Braga utilizando com perfeição a crônica poética e João Ubaldo a prosa entre amigos. A crônica é mais densa, o poema transcendental. No meu caso, acho estar mais voltada para uma conversa entre amigos – eu e o leitor. Vez por outra perco-me nas “poeticidades”.

 

PO&SIARTE:  Seus poemas são bem simples, porém, passam uma filosofia profunda e até fazem os leitores pensarem, como vemos no poema “Telegrama do Oriente”. Essa é a idéia?

 

AC: O poeta é um pintor de pedras. Pego a realidade ínfima, aquela pequenez da alma, momentos de uma fotografia, e pinto de uma forma bela para que todos possam ver. Não acredito em poemas complexos onde fechamos logo na segunda página o livro. Desaprendi o rebuscado e me doutorei em sentimentos. Basta-me uma folha seca para um poema. Uma lágrima é bela e não é necessário nada mais para ser entendida.

 

PO&SIARTE:  Quais autores você lê? E lê muito?

 

AC: Leio mais do que deveria, menos do que gostaria. Releio sempre os mesmos livros, mas sempre navego para encontrar novidades. Gosto de Quintana, Adélia, Ungaretti, Gary Snyder, Brecht, Bukowski, Maiakovski, Bandeira, Drummond, Gullar, e muitos outros. Dos novos, Angélica Freitas, Heitor Ferraz, Eucanaã Ferraz, Carpinejar etc. Em crônica, gosto dos nossos clássicos, Braga, Raquel de Queiroz, Ponte Preta, Ivo, João Ubaldo, Drummond... a lista é grande.

 

PO&SIARTE:  Para encerrar, um verso próprio.

 

AC: Os homens sofrem como as pedras/ cheios de musgo verde/ e caras feias.

 



Escrito por Angel Cabeza às 23:21
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


AUTÓGRAFO
Angel Cabeza

           

 



Escrito por Angel Cabeza às 10:43
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


DUETO CRÔNICO - duas crônicas sobre pessoas públicas

:: EFEITO BOCHECHA::

Publicada no jornal Objetiva em Foco


:: SONHO ENCANTADO::

Publicada no jornal Objetiva em Foco

 


 

 



Escrito por Angel Cabeza às 19:59
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


CRÔNICA & POEMA

QUADRINHOS
Angel Cabeza




Escrito por Angel Cabeza às 15:28
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


.: CRÔNICA :.

Foto Publifolha - Dorival Caymmi

 

 

 

 

Eu queria ser dorival caymmi

 

Em memória do querido Dorival

 


 

 

 

 

 



Escrito por Angel Cabeza às 14:52
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


POEMA & CRÔNICA



:: O MUNDO ESTÁ ACABANDO ::




Escrito por Angel Cabeza às 21:26
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


TRISTEZAS ENCANTADAS

ANGEL CABEZA

Pintura de Klee





Escrito por Angel Cabeza às 22:11
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


O SEGREDO DO AMOR

ANGEL CABEZA

Moça com ventarola
Pintura de Gauguin





Escrito por Angel Cabeza às 22:05
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


A DANÇA SIMBÓLICA DE LUCIANO BONFIM


ANGEL CABEZA






Escrito por Angel Cabeza às 21:48
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


MINHA PRIMEIRA VEZ

Pintura de Miró




MINHA PRIMEIRA VEZ

Angel Cabeza



Escrito por Angel Cabeza às 16:27
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


ATENTADO

ANGEL CABEZA

PINTURA DE PAUL KLEE




Escrito por Angel Cabeza às 20:13
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


DANÇA PARA TRÊS: DOIS POEMAS E UMA CRÔNICA

ANGEL CABEZA



Guarda-Chuva - Pintura de Magritte



Escrito por Angel Cabeza às 21:08
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


SEIS ESTRELAS



Eu não entendo nada de futebol, confesso. Sou o tipo de brasileiro que não liga muito para essas coisas de bolas, homens correndo e gols emplacando pontos, se é que existem pessoas assim. Nem parece patriota, deve estar pensando. Concordo, plenamente, com o teu lúcido pensamento. Mas é que sou uma pessoa não muito acostumada às peladas (não entenda outro tipo de peladas) que acontecem por aí. E olha que eu jogava futebol quando garoto. Pegava um blusão amarelo, um short azul, um tênis qualquer e ia para o gol imaginário feito com chinelos – na rua – me sentindo um Taffarel, ou para o campo de asfalto – raras vezes – me sentindo um Bebeto. No máximo, conseguia arrancar um uhhhh alongado da platéia quando jogava. Parei por força do destino, depois de ter levado uma cotovelada no olho em uma falta não cobrada por um juiz infeliz. Fiquei um mês quase carregando um tapa-olho enorme. Talvez esta seja a razão para eu não jogar e não sentir mais graça em acompanhar os jogos: traumas de criança. Sou tão ruim quanto o perna-de-pau do circo. Nem me convide para bater uma bola, pois posso quebrar-lhe a canela. Se for para ficar no gol – diga-se de passagem, a minha posição preferida – até posso pensar, mas nada garantido.

Ah, isso tudo até chegar a Copa. A Copa do mundo esperada por milhões de pessoas neste planeta, quer dizer, esperada pelo mundo inteiro e, se duvidar, esperada por outros sistemas galácticos. Somos levados por uma emoção olímpica daquelas que só no carnaval são externadas e até o mais lúgubre Ser amanhece. Porque todos sabem, a Copa é A COPA e não uma copinha qualquer. É como se fosse um desacato religioso não gostar de copa.

E é gostando de Copa que abro a minha garganta para um profundo GOOOOL do time do Brasil. Está certo que eles não jogaram lá essas coisas no primeiro jogo, pois o Ronaldo (fenômeno) estava mais pra lá do que pra cá e o único fenômeno que apareceu foi uns quilos a mais; muito menos o segundo jogo foi a apresentação do século. Mas quem sou eu para criticar? Será que eu faria melhor? Bem, para bom torcedor meio chute basta. O importante é bater na redondinha e enterrá-la na rede branca. O importante é COMPETIR.

Copa é lugar para todos, aliás, não tem nem lugar para se andar nas ruas. São camisas, bolas, bonés, cornetas e outras coisas mais que são quase que jogadas no rosto dos torcedores fiéis e aficionados em futebol, eternizando o Brasil em suas cores e formas. Nunca vi tanta coisa junta representando o Brasil como nos períodos da Copa. Vai de lenços de cabeça até fraldas para crianças e sanduíches ornamentados. É o espírito patriótico que desembainha a sua espada.

Outro dia, flanando por aí, observei um grupo que preparava uma oferenda. Adivinhem, para que o Brasil seja campeão. Isso sim é patriotismo! Em vez de uma galinha preta, uma galinha verde e amarela.

São tantas as promessas infindas que me perco nas contas. Nunca fiz uma sequer. Inclusive, acho uma besteira, afinal, quem embolsará os milhões não serei eu. Mas que elas existem, ah, isso sim, existem. São dietas fenomenais da lua, do sol, dos astros; dízimo aos pobres, deixar o cabelo crescer até o pé, mandingas e outras coisas. Entretanto, desculpem tocar no assunto, mas o “ser brasileiro”, pelo que vejo, é o que menos importa nestas horas.

Venhamos e convenhamos, é incrível como somos apenas patriotas quando estamos interessados em Copa do Mundo. Nunca vi alguém emplacar uma promessa para que a fome no mundo desapareça ou, ainda, para que o Brasil seja auto-sustentável. Jamais observei despachos para que o mundo melhorasse em sua ignorância. Nunca vi reivindicarem saúde, alimentação, escolas mais equipadas ou que o nosso ilustríssimo presidente deixasse um pouco de lado as suas medidas provisórias e atentasse mais aos hospitais superlotados. Sinceramente, a única coisa que vejo reivindicarem são os aumentos de salário, isso, diga-se de passagem, apenas para bancários e outros que ganham mais de seis salários mínimos e sempre querem mais. E, quando tudo acaba, as bandeiras são baixadas e o espírito brasileiro da unificação se esvai juntamente com os momentos, que ficam apenas na memória do tempo que, muitas vezes, prefere ser desmemoriado.

Tudo bem, tudo bem, sei que estou de rabugice. Quem sabe uma dessas gripes não me atacou e estou descontente por não ter podido vibrar juntamente com as cornetas nesta Copa?

Apesar de tudo estamos seguindo em frente, com promessas ou sem promessas. Um dia, talvez, seremos todos patriotas de sangue e não apenas de garganta. Claro que existem muitos por aí, e não estou me referindo aos revolucionários, mas apenas no patriotismo interno dos atos – Hitler é um bom exemplo.

Pelo menos, uma coisa é certa: a copa é A COPA e não uma copinha qualquer.

Evoé, Copa, com suas energias que unificam e glorificam o Brasil. Já que a sexta estrela não brilhou no negrume do universo, quem sabe não virá um País melhor?



Escrito por Angel Cabeza às 12:56
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]
 
Meu perfil


BRASIL, Sudeste, RIO DE JANEIRO, Angel Cabeza é poeta. Cursou letras, é casado e tem 3 filhas, Homem



Histórico


Votação
Dê uma nota para
meu blog



Outros sites
 ...........................
 Lua Mágica
 A arte de Angel Estevez
 Carpinejar
 Famigerado - Revista Literária
 Casa da Cultura
 Gaveta do Autor
 Cássio Amaral
 Rodrigo Capella
 Revista Bula
 Revista Cronópios
 Garganta da Serpente
 Revista Simplicíssimo
 Projeto Identidade
 Blog Alma Guerreira
 Mouse Design (Marco Victorino)
 A obra de Marco Victorino - Artes Plásticas
 João Gilberto Noll
 Rafael Nolli
 Tavola Redonda
 Jornal Telescópio